Tour na Toscana

A origem do chocolate

Chocolate

Apesar do período de Páscoa já ter passado, o protagonista dessa vez é o chocolate, para a felicidade dos chocólatras e dos futuros amantes desse fruto do pecado que após ler o nosso post encontrarão outro motivo para consumir o nosso querido e tão desejado chocolate!!!!

Só de pensar já nos dá água na boca e para muitos é realmente impossível resistir a essa tentação! O primeiro europeu a provar o cacau foi Cristovão Colombo em 1502, numa das suas viagens para América em busca de ouro. Ao chegar  numa ilha de Honduras Colombo foi recebido pelos astecas que lhe ofereceram o seu ouro: o cacau. Já para as civilizações antigas o cacau tinha um papel fundamental e de grande importância no dia a dia e na cultura dos mesmos.

1

Os mayas foram os primeiros a cultivá-lo e o nominaram “comida dos deuses”, justamente por ser consumido em momentos e cerimônias especiais.

Cristovão ao retornar para a Espanha levou consigo uma pequena quantidade desse ouro, apresentando-o à corte e aos reis Ferdinando e Isabela da Espanha, que não deram a mínima importância ao fruto.

2Somente em 1528, Hernandez Cortez traz o cacau à corte espanhola e o apresenta aos reis Carlos V e Isabel Di Aviz. O grande navegador anos atrás, teve a sorte de chegar com a sua expedição ao México, justamente no dia em que os maias tinham previsto a volta do grande Deus “Quetzalcoatl”.

Hernandez foi confundido com o tal, e assim foi recebido por toda a população com uma grande festa! Em tais circunstâncias, não é necessário dizer que foi tratado como um Deus, tendo o privilégio de saborear a “comida dos Deuses” de todas as maneiras, diluida com água, misturada com pimenta, mel, etc… e no final recebeu como oferenda, toda uma colheita de um dos campos de cacau.

3

Os monges espanhóis fizeram várias modificações na receita original dos mayas, e ao invés de diluir o cacau com água e misturar com pimenta, mel e outras especiarias, trocaram a pimenta por açúcar e baunilha…e deu certo!!!!

Como os mayas consumiam o cacau transformado praticamente em pó e misturado com água, o chamavam de chacauhaa (chaca= cacau e haa=água). Mas a partir do momento que foi introduzido na Espanha, passou a ser chamado de “chocolate” (sinônimo de chacauhaa para os mayas), pois a palavra na pronúncia asteca “cagaaaa” (chacauhaa) em espanhol, não tinha um significado muito convidativo, principalmente se tratando de um líquido escuro e denso!!!!!

4

Por quase um século os espanhóis guardaram para sí esse grande e saboroso segredo, sendo que o consumo se difundiu por toda a Espanha e aos poucos por toda a Europa. Na Itália, graças aos reinos de domínio espanhol e de casamentos entre tais reinos, não demorou muito a chegar e, já em 1606 o chocolate era produzido em Florença.

Cosimo III de’ Medici, pintura (1676-1677) ei Baldassare Franceschini chamado “il Volterrano”. Castelo Reale di Varsavia

Cosimo III de’ Medici, pintura (1676-1677) ei Baldassare Franceschini chamado “il Volterrano”. Castelo Reale di Varsavia

6

Segue abaixo a receita do chocolate, que em 1600 fez a sua entrada oficial no Grão-Ducado da Toscana – preparada com o aroma de jasmim. Uma preparação muito complexa, inventada por Francesco Redi, médico, naturalista e grande literário.

No início somente Cosimo III de Medici e sua corte saboreavam as receitas elaboradas por esse grande estudioso, e o livro que continha tais receitas era guardado de baixo de sete chaves no cofre do Palazzo Pitti!

Receita do chocolate de Francesco Redi:

“Pegue o cacau torrado, moído e limpo de forma grosseira; jasmim fresco o suficiente para misturar com o cacau, coloque tudo em camadas numa caixa ou vasilha apropriada, deixe repousar por 24 horas. Então pegue 8 libras de açúcar branco seco e bom. 3 pitadas de baunilha. 6 pitadas de canela. 2 pedrinhas de ambra e de acordo com a arte se prepara o chocolate …”.

No século XVIII, o consumo do chocolate tinha se difundido em toda Europa, e em Firenze, na sala verde da farmácia de Santa Maria Novella, hóspedes de várias cortes e nacionalidades, se reuniam para saborear as especialidades da farmácia, como o licor de Alkermes ou da China, porém, o protagonista que estava na moda naquele momento, era o chocolate!!!

7

Muitos personagens famosos fizeram o uso quotidiano do chocolate, entre eles, Giovanni Casanova que não era somente amante de belas mulheres, mas também do chocolate, convicto das propriedades afrodisíacas do fruto. Casanova viajava sempre com uma provisão de barretas de chocolate, que ralava pessoalmente, diluindo-o com água ou leite, usando utensilios adaptos para transformá-lo numa bebida saborosa e com uma espuma perfumada e delicada.

8

Utensílio utilizado para a preparação do chocolate quente no século XVIII

9

Presunto retrato de Giacomo Casanova, atribuito a Francesco Narici, e no passado a Anton Raphael Mengs ou ao seu aluno Giovanni Battista Casanova (irmão de Giacomo).

A Marquesa de Pompadour, uma das mais celebres amantes do rei da França Luís XV, depois dos trinta anos começou a perceber um leve cansaço e para não deixar de satisfazer as exigências do seu amante, sua majestade, começou a se nutrir de CHOCOLATE, trufas e champanhe. A história não nos confirma se esses remédios deram o efeito desejado, mas a Marquesa se tornou famosa no mundo inteiro por ter sido a mais cortejada e preferida do rei!!!

10

Jeanne Antoinette Poisson, conhecida como marquesa de Pompadour (1721-1764), num retrato do pintor François Boncher. Foi a “favorita” de Luís XV, a mulher mais admirada e odiada da França, com poderes superiores àqueles da rainha.

Podemos citar ainda outros grandes personagens que acreditavam fielmente nos efeitos afrodisíacos do chocolate, como o Marques de Sade, Napoleão Bonaparte, Gabrielle D’Annunzio e muitos outros.

Mas essa…já é uma outra história…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site utiliza cookies Saiba mais Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close