Tour na Toscana

A Ultima Ceia: de tradição florentina a versão 2.0

leonardo

Quando ouvimos o termo “Última Ceia” é quase imediato lembrarmos da obra-prima de Leonardo da Vinci para o convento de Santa Maria delle Grazie, em Milão. Trata-se da representação, inspirada no evangelho segundo São João, do momento que Cristo instituiu o sacramento da eucaristia e revela à seus apóstolos que um deles o trairia. A maestria de Leonardo na pintura era imensa, mas não com a técnica do afresco, que necessitava de grande rapidez na execução e talvéz por isso o genial artista tenha decidido utilizar uma nova técnica de pintura mural com predominância da têmpera. Porém a umidade do ambiente fez com que a obra iniciasse a se deteriorar logo após o seu término.

Leonardo da Vinci na representação da Última Ceia seguiu uma tradição típica de Florença, também chamada de Cenáculo (Cenacolo em italiano) do latim cenaculum. A palavra também é sinônimo de refeitório e estava sempre representada neste ambiente dos conventos ou monastérios.

O afresco do Cenáculo mais antigo de Florença encontra-se no convento franciscano de Santa Croce e foi realizado por Taddeo Gaddi em meados de 1300. Esta representação da Santa Ceia tornou-se o modelo para as demais e dispunha Cristo e os apóstolos de um lado da mesa com a excessão de Judas Iscariotes, que estava isolado do outro lado.

A cena estava inserida em uma representação iconográfica mais ampla que incluia também a Crucificação representada como a Árvore da Vida, com profetas e evangelistas representados nos círculos dos ramos da árvore. Tudo isso deveria incitar os religiosos a refletirem sobre a relação entre a comunhão e o sacrifício de Cristo.

gaddi-katia

O tema teve um grande desenvolvimento no início do Renascimento pois permitia colocar na prática as novas regras de representação da perspectiva. Nota-se muito esta atenção no afresco de Andrea del Castagno no Cenáculo de Santa Apollonia onde todos os detalhes foram cuidadosamente representados, da mesa e da decoração marmórea da sala e do telhado. Judas tem uma expressão de contrição e é uma das raras vezes que é representado a direita de Jesus.

andrea-del-castagno

Um dos pintores mais prolíficos na realização de Cenáculos foi Domenico Ghirlandaio, o primeiro mestre de Michelangelo. Seu primeiro Cenáculo foi na Badia a Passignano (1476) seguido pelos de Florença em Ognissanti (1480) e San Marco (1482). É o primeiro artista a não representar mais a Crucificação, mas o tema da morte e da ressureição está simbolicamente representado no pavão que na tradição cristã era o símbolo da imortalidade.

Ghirlandaio, além de criar uma maior relação entre os apóstolos, incorporou elementos arquiteturais dos ambientes na representação, como se o ambiente tivesse grandes aberturas ao ar livre. Além disso o pintor demonstrou a sua maestria nos detalhes como os bordados e as dobras da toalha de mesa, e na transparência dos copos. Judas continua a ser representado isolado em um lado da mesa e no afresco de San Marco é acompanhado por um gato, animal considerado símbolo do maligno na época.

san-marco

Por muito tempo o Cenáculo afrescado por Pietro Perugino (1514) foi considerado uma obra de Rafael pois no início da sua carreira o seu estilo era muito parecido com o do mestre. Perugino realizou esta pintura para o convento das Terciárias franciscanas de Sant’Onofrio chamadas também de Fuligno pela cidade de origem (Foligno). Uma das características dos personagens representados por Perugino era a pacatez e a tranquilidade, e provavelmente por essa razão o pintor descartou a interação entre os apóstolos, mas Judas desta vez tem um saquinho de moedas nas mãos e olha na direção do expectador. O pintor inseriu na paisagem a distância uma representação da cena sucessiva, da Oração no orto das oliveiras.

cenacolo-del-fuligno

Como já dissemos a Última Ceia do Leonardo da Vinci seguiu a tradição florentina, mas tornou-se um marco divisório e um ícone já na própria época. Todas as outras representações realizadas após o Cenáculo de Milão foram influenciadas pelas novidades propostas por este artista genial. O primeiro deles foi realizado por Franciabigio no Cenáculo della Calza onde a cena é tão dinâmica que Judas até derruba o banquinho onde estava sentado e o saleiro na mesa quando ouve as palavras de Cristo.

cenacolo_della_calza-2

Andrea del Sarto também foi muito influenciado pelo Da Vinci sendo o primeiro em Florença a colocar Judas ao lado de Cristo. O afresco de San Salvi (1519-27) é uma representação mais tranquila e incluiu uma cena de quotidianidade com uma janela onde podemos ver os serviçais e provavelmente um deles seja o autorretrato do artista.

andrea_del_sarto_-_the_last_supper_-_wga00389

Existem outras representações sucessivas da Última Ceia realizadas em Florença e nos seus arredores. Mas após Leonardo da Vinci o tema transcendeu a Toscana e tornou-se um ícone mundial. Isto pode ser notado na representação da pintura de Salvador Dalí, que é exposta na National Gallery de Washington. Dalí revolucionou o tema em chave surrealista, o rosto de Cristo é representado com a face da sua esposa Gala e não se reconhecem os apóstolos.

cenaculo-dali

Uma das mais recentes é uma versão 2.0 da última ceia, um video realizado pelo grupo napolitano Casa Surace com um Cristo e os apóstolos colegados a smartphones, tablets e computadores. Mesmo se você não entende italiano, vale a pena ver!

 

 

E se você quiser conhecer de perto os Cenáculos de Florença fale conosco!

Texto: Kátia Martinez

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site utiliza cookies Saiba mais Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close